Entender quanto ganha um corretor é também entender como o trabalho deste profissional pode representar aqueles valores. O mais comum, é o corretor ganhar uma porcentagem sobre as vendas. Ou seja, a famosa “comissão”. Esta é a forma mais básica de remuneração e, por isso, torna-se também uma forma complexa.

Por mais que receber determinada porcentagem seja “simples”, na prática, pode significar muitas inconstâncias no que seria um “salário” convencional. No entanto, isto também não significa que não seja possível manter as contas e as finanças organizadas. E é justamente isto que vamos entender também no decorrer deste texto.

Além do mais, existem algumas categorias diferentes, por assim dizer, que também irão influenciar o modus operandi dos pagamentos dos corretores. Afinal, há possibilidades de se trabalhar através de carteira assinada e também de forma autônoma. Ambas podem ter vantagens e desvantagens. O mais importante, é entendermos como manter um equilíbrio saudável e que seja viável no médio e longo prazo.

Por isso, acompanhe e entenda tudo sobre o assunto!

Quanto ganha um corretor

Quanto ganha um corretor de imóveis? Esta talvez seja uma das perguntas mais difíceis de serem respondidas atualmente. Muitas das vezes (na maioria delas) seria muito mais fácil termos um número exato, não é mesmo? Afinal, um “salário” muitas vezes é baseado em um número exato. Mas, no caso dos corretores de imóveis isto não necessariamente é uma regra.

E justamente por isso acaba se tornando difícil este entendimento para muitas pessoas. Um corretor de imóveis, na maioria das vezes, vai receber por comissionamento. Ou seja, com base nas vendas que ele efetuar. E é aí que entra a questão das derivações, inconstâncias e, se não houver um planejamento, desequilíbrio.

O comissionamento dos corretores de imóveis é uma forma de monetizar uma venda através de uma porcentagem fixa ou dinâmica, dependendo do contrato e da forma de negociação e do que o CRECI do seu estado prevê como algo justo. No entanto, a média que você irá encontrar no mercado, será entre 6% a 8% para imóveis convencionais, podendo variar para imóveis rurais ou com venda judicial.

Ou seja: não há como dizer quanto ganha um corretor de imóveis. Mas dá pra fazer algum tipo de previsão. Por exemplo, se o corretor ganhar 6% de um imóvel que custe 150 mil reais, ele receberá 9 mil reais de comissão. Logo, este será o salário dele no mês, caso venda apenas um imóvel. Agora, se ele vender mais imóveis, certamente receberá mais.

Mas é importante sempre manter os pés no chão. Quando pensamos em um salário desses e ainda com a possibilidade de escalar para quanto quiser, nem sempre estamos contando com todas as variações. Você já parou para pensar que podem ter meses que não terá vendas? Pois é. Esta é uma realidade que somente será vivida quando de fato, isto ocorrer. Acompanhe o texto que vamos falar de planejamento mais a frente.

Valores sempre serão relativos a tudo, inclusive com os corretores de imóveis

Entender quanto ganha um corretor, é também ter em mente que isto é muito relativo. Conforme já vimos anteriormente, um corretor profissional pode ter um salário muito bom em alguns meses e muito ruim em outros. E isto é absolutamente normal e, por isso, relativo. Por isso que, quando estamos falando de valores a receber, nem sempre podemos considerar somente o valor em si. Acompanhe para entender.

Para algumas pessoas, um salário de 5 mil reais, pode ser muito. Para outras pessoas, pode ser pouco. Pois isto está completamente vinculado ao fator “individualidades” e até mesmo gostos pessoais.

Por exemplo, alguém que odeie trabalhar com determinada atividade e que ganhe bem, este “bem”, nunca será o suficiente, pois não estará suprimento outros pontos fundamentais na vida. E nisto, o valor está completamente interligado. Pois nunca ganhar bem vai pagar o preço de outros aspectos.

Quanto ganha um corretor

Muita gente acaba associado somente a atividade ao salário. O que é um erro. Há atividades que pagam muito bem, sim. Mas, será que você gostaria de pagar o preço para realizar esta atividade?

Estudar o suficiente, encontrar um estágio, começar de baixo, esperar os anos passarem para ir subindo um degrau de cada vez até que você entenda que este não é o segredo do sucesso, pois na verdade, não queria estar realizando esta atividade.

O ponto é entender que para todo bônus, sempre terá um ônus. Para todo salário, sempre terá um preço a ser pago. E no caso dos corretores de imóveis, isto não é diferente. Por isso, entender quanto ganha um corretor de imóveis é também entender tudo que envolve a atividade, os riscos, os desequilíbrios e, claro, as conquistas.

Carteira assinada ou autônomo – qual o melhor?

Trabalhar com carteira assinada ou como autônomo, o que é melhor? Isto também precisa ser considerado no caso de você buscar entender quanto ganha um corretor de imóveis. Conforme vimos anteriormente, a forma básica de remuneração de um corretor é justamente através do comissionamento. Comissões são geradas a partir de vendas de imóveis ou mesmo outros tipos de negócios.

No entanto, qual é o tipo de contrato que estes corretores assinam na hora de escolherem sua forma de trabalho? Depende. Pode variar entre um contrato de autônomo ou um contrato via CLT, que é a carteira assinada convencional. Ambos modelos podem ser utilizados. Mas, para aqueles que trabalharem via CLT, normalmente terão um salário fixo durante o mês. Ou seja, a corretora pagará um piso, independente de vendas, comissões, etc.

Talvez este soe o formato mais inteligente. Afinal, mesmo que o corretor não venda, ele ganhará algo. Mas, nem sempre é assim. Um contrato de CLT prevê uma série de responsabilidades extras pelo empregador e pelo empregado. Por exemplo, será amplamente necessário ter uma carga horária dentro da corretora para o salário ser considerado.

Quanto ganha um corretor

Se você tiver muitos compromissos durante o dia ou mesmo tiver outras atividades, talvez o modelo de corretor autônomo seja a melhor opção, pois você terá esta flexibilidade e liberdade de montar seus horários conforme achar necessário. Mas, com isso, também vem uma série de responsabilidades e necessidades que, enquanto CLT, o corretor não teria.

Por exemplo, um corretor autônomo precisa cuidar e organizar absolutamente tudo em sua volta. Desde marcação de horários, até visitas guiadas e planejamento financeiro. Tudo precisa estar dentro do mais alto grau de organização para que nada se “perca” e dê algum tipo de problema que possa gerar prejuízo. Por isso, colocar os prós e contras de cada categoria na balança talvez seja a melhor forma de escolher.

Planejar para colher é indispensável

Quanto ganha um corretor? Poderia responder que ele ganha tudo aquilo que ele planta. Ou seja, qualquer coisa. E isto também não estaria errado. E a partir deste ponto de vista, precisamos levar em consideração outro ponto crucial: o planejamento. Planejar é uma das mais brilhantes formas de construir o futuro que você deseja, seja profissional ou pessoal.

No entanto, é claro que determinadas circunstâncias podem variar com o tempo. Afinal, um trabalho humano necessita de acompanhamento diário e constante. Pois falhas podem ocorrer, imprevistos podem acontecer e, desta forma, o planejamento não seguir a linha que deveria seguir. E não há nada de errado nisso, ok? O importante é ter um norte, e não o caminho todo. Pois isso você irá construindo com o tempo.

Assim sendo, levar em consideração um bom planejamento é o que fará o seu projeto ir por um caminho um pouco mais “certo”, por assim dizer. Pois o que você puder fazer para ir em uma direção, você fará. Por mais que hajam dificuldades neste caminho, você sabe que este ainda é o caminho que você planejou. E isto ajuda (e muito) a deixar as coisas mais claras.

Além do mais, um bom planejamento vai ajudar o corretor a superar e manter equilibrado toda e qualquer inconsistência causada pelo mercado e pelos meses em que não acontecerem vendas.

E acredite, estes dias irão correr! E estar preparado e aceitar será uma das melhores formas de lidar com a situação, pois crises no mercado imobiliário são constantes e você precisa saber o que fazer. E um bom planejamento, certamente ajudará você a saber lidar, não ter um colapso e colocar todo o seu sonho por água abaixo.

Quanto ganha um corretor

Como superar meses sem vendas

Este talvez seja um dos fatores psicológicos que mais fazem corretores desistirem. E isto é algo que precisa ser levado em consideração quando buscamos entender quanto ganha um corretor. Pois, além de dinheiro, ele pode ganhar muito estresse e ansiedade, com meses em que o trabalho não é recompensado com uma venda, consequentemente, uma comissão.

Por isso, o que você pode e deve fazer, é justamente entender e aceitar esta situação que em alguns meses, talvez você não venda como o esperado ou sequer venda alguma coisa. E não há muito segredo para resolver isso. O que há é uma organização, um bom plano financeiro para ter dinheiro quando não entrar vendas e, claro, preparo emocional.

O que você precisa fazer não é simplesmente sair desesperado por um cliente quanto não há vendas. O que você precisa fazer é seguir seu plano e revê-lo a cada semana ou mês. Isto fará com que suas ideias sejam mais visíveis e também ajudará a corrigir qualquer tipo de problema de percurso.

O segredo é não se desesperar, não achar que o seu sonho de viver como corretor de imóveis foi por água abaixo e lidar com profissionalismo, com o foco sempre ajustado para alcançar o próximo cliente que pode estar logo após o mês que não houve vendas. Acreditar e prosseguir talvez sejam duas palavras interessantes para usar aqui. Mas, isso só é possível, se o passo anterior foi bem desenvolvido: o do planejamento.

E agora, vamos falar um pouco sobre o que você pode fazer quando vender acima do esperado em um mês. Acompanhe.

Quanto ganha um corretor

Como manter a calma em meses que vender acima do esperado

Quando você vender acima do esperado em um mês, talvez a forma mais eficaz de lidar com a situação é não sendo eufórico e nem acreditando que aquilo vai acontecer sempre. Manter os pés no chão é importante. E, quando isto acontecer, saiba que poderá ajudar muito em uma situação em que as vendas não entram, como falamos no tópico anterior.

Você pode aproveitar estes momentos “mágicos” em que as vendas vão muito bem e fazer um plano financeiro para que este dinheiro sirva de base para os meses em que não tiver venda nenhuma. Assim, você garantirá excelência na sua gestão imobiliária ou mesmo da sua profissão de corretor, e estará fazendo o que deve ser feito: manter o equilíbrio sempre.

É claro que ganhar muito dinheiro é bom. Ainda mais de uma só vez. Mas você precisa fazer isso de uma forma responsável e que não comprometa o médio e longo prazo do seu projeto. Utilize os recursos para recompensar o seu trabalho, mas também utilize para investir em novas tecnologias e ferramentas.

Cative seus clientes para ganhar ainda mais

Conforme mencionamos anteriormente, uma das melhores formas de construir riqueza sendo um corretor de imóveis, é equilibrando as contas quando ganha-se bem para repor quando ganha-se mal. E esta talvez seria uma das melhore formas de responder quanto ganha um corretor. Afinal, tudo dependerá.

Mas uma coisa é certa: sem clientes, sem dinheiro. E se á algo que você deva focar também, é em conseguir mais clientes. Mas para isso, muito esforço é preciso, além de investimentos e ferramentas corretas. Mas também, você pode utilizar o relacionamento para aproximar os clientes que você já tem e cativar os próximos.

Por exemplo, com um bom CRM imobiliário, as chances de você conseguir conquistar a confiança de quem ainda não conquistou é enorme. Além de que, com um bom sistema de coleta de informações, você poderá utilizar os dados para futuras campanhas publicitárias ou ações específicas com um público alvo já definido.

Profissionalizar a atividade talvez seja o passo mais importante para que o corretor consiga vender mais e, consequentemente, ter sucesso.