O portal de notícias norte-americano Business Insider divulgou uma lista com os 19 mercados imobiliários mais aquecidos do mundo. Para chegar a esse ranking, o portal fez os ajustes dos valores de imóveis do mundo todo, divulgados pela consultoria Global Property Guide, pela inflação de cada país.

Ainda com os efeitos da crise econômica, o Brasil, naturalmente, não configura na lista dos mercados imobiliários mais aquecidos do mundo. Aqui, a valorização dos imóveis ficou abaixo do avanço da inflação. Um cenário bem diferente de anos atrás, quando o país experimentava um boom no setor.

Para se ter uma ideia, entre os anos de 2008 e 2013, o Brasil apresentou a maior valorização imobiliária do mundo, quando os empreendimentos daqui ficaram 121,6% mais caros – segundo levantamento do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês).

Agora, confira quais são os 10 mercados mais aquecidos do mundo atualmente e veja uma perspectiva para o setor no Brasil:

Hong Kong

Na liderança, Hong Kong apresentou a maior valorização de imóveis. Os preços das casas aumentaram 17,27% no primeiro trimestre de 2017, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Islândia

O crescimento do valor dos imóveis na Islândia foi de 16,01% no primeiro trimestre de 2017, em comparação ao ano anterior. Trata-se do maior crescimento do mercado imobiliário na Europa.

Xangai (China)

Na maior cidade da China, os preços das propriedades residenciais subiram 13,16% entre o primeiro trimestre de 2016 e o deste ano.

Canadá

O Canadá viu os preços dos imóveis aumentarem em 11,70% no primeiro trimestre de 2017, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Irlanda

Na Irlanda, o valor dos imóveis teve alta de 8,91% no primeiro trimestre de 2017, em comparação ao ano anterior.

Montenegro

Na sequência, aparece Montenegro. Os preços das casas no país do Leste Europeu avançaram 8,68% o primeiro trimestre de 2016 e o deste ano.

Plataforma ERP ville Imob

Romênia

Com os valores ajustados pela inflação, a Romênia apresentou crescimento de 7,61% nos preços das propriedades residenciais no primeiro trimestre deste ano.

Noruega

Entre o primeiro trimestre de 2016 e o deste ano, os preços das propriedades residenciais subiram 13,16% na Noruega.

Nova Zelândia

A Nova Zelândia viu os preços dos imóveis avançarem 7,26% no primeiro trimestre de 2017, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Holanda

Na Holanda, o valor das residências cresceu 7,11% com o valor ajustado pela inflação do primeiro trimestre, em relação ao mesmo período do ano anterior.

Futuro do mercado imobiliário brasileiro

Enquanto o país não se recupera da crise econômica, os corretores de imóveis têm mais dificuldades para concretizar uma venda. Afinal de contas, nessa situação, a maioria das pessoas prefere economizar mais e não costuma fazer um investimento grande, como a aquisição de um imóvel.

Nesse sentido, o corretor precisa se esforçar mais para captar propriedades e novos clientes. Como a tarefa não é nada simples, é importante que o profissional conte com a ajuda de diversas tecnologias.

A plataforma ville imob oferece, por exemplo, integração social para que o corretor consiga divulgar seus imóveis no maior número de canais online possível. Mais do que isso, a plataforma permite que o corretor armazena todas as informações em um CRM imobiliário prático de usar. Ali, ele pode cruzar os dados de imóveis e clientes para oferecer o melhor produto ao seu público.

E comece a se mexer o quanto antes. Especialistas do ramo imobiliário estão mais otimistas para este segundo semestre deste ano, por conta de uma série de motivos. Entre eles, destacam-se as mudanças nas regras de financiamento e uma melhora (tímida, é verdade) da situação macroeconômica do país.

Você está preparado? Será que o Brasil volta a figurar entre os mercados imobiliários mais aquecidos do mundo num futuro próximo?

 

Posts relacionados